quinta-feira, 31 de outubro de 2013

O TEMPO E A GESTÃO DE OBJECTIVOS

Pare, pense, olhe e escute. Não é para ouvir o comboio, é para se escutar a si mesmo. Quais, quando e como, são as grandes questões que temos que pôr a nós próprios. A resposta tem que ser forçosamente individual. É uma pesquisa interior e solitária. Depois vem a satisfação de saber o que queremos. A pesquisa foi solitária mas vivemos em família e comunidade, há que discutir e encontrar consensos, sabendo de antemão, que uns são negociáveis e outros não.
Quero ter filhos, ele não quer, para mim é inegociável.  A Terezinha quer tornar-se vegetariana, tudo bem; quem quiser só couves acompanha-a, para os outros cozinha-se um arroz de polvo.


 Estou a sair do escritório e telefona a Terezinha a convidar-me para ir jantar a um restaurante novo, que é giríssimo e barato.
Vou, ou não vou? Tenho planeado uma ida ao cinema, se vou deixo de cumprir os meus objectivos, já estou a saber como planear e agora vou estragar tudo?
Sabe que mais? Se lhe apetece ir jantar, vá!  Isto não é nenhum objectivo para chegar a uma determinada meta.
Mas se tem como meta perder 8 kg (que exagero) num mês ou perder 2 kg  por semana, o seu objectivo de fazer dieta, talvez seja incompatível com Fast Food, Pizzas etc.
Na quarta - feira ás 15 h temos a bendita reunião semanal do departamento. Só de pensar fico louca! A maldita, está desde sempre marcada para as 15 h, nunca se inicía antes das 15 h 30 e como isto não fosse suficiente, dura , dura, muito mais que as pilhas Duracel, porquê?

Fácil resposta, não há ordem de trabalhos, vai -se falando a avulso, tipo mercearia antiga -  ("ó srº Adão, quero um kilo de castanhas, mas boas; ó Dona Maria, ia lá eu vender-lhe uma coisa que não estivesse em condições, sabe, a sua vizinha do 2.º esq.º  também veio comprar, para fazer um desconsolo ao pai , que segundo ouvi dizer, está nas últimas. Ai está, não me diga"...)
O estilo é o mesmo, só tem que trocar castanhas por encomendas.
Como anda tudo ao Deus dará, toca a remediar a questão com umas horas extras, no sábado.
NÃO VOU. Agora falta arranjar uma boa desculpa. Já sei, tenho o funeral duma amiga íntima. Essa vê-se logo que é mentira, faltam quatro dias para o funeral e eu já matei a amiga, não pode ser. Dizer que vou ficar doente no sábado, é complicado, tinha que os fazer acreditar que possuo dons adivinhatórios.
Boa, já sei tenho um casamento e sou a madrinha. Mentira?
Claro que é , mas não estão mesmo a pedi- las?
E quanto aos dons adivinhatórios, parece que tenho alguns. Isto a continuar assim , vai pôr-nos a todos em fila indiana à porta da Segurança  Social.
Mas afinal , alguém me sabe dizer o que é que essa instituição segura?


.

Enviar um comentário