segunda-feira, 13 de janeiro de 2014



OS VINHOS DA SUA GARRAFEIRA IX

Região do Alentejo – a escolha dos vinhos tintos a figurarem na sua garrafeira.

Em página anterior fez-se referência à Região vitivinícola, falou-se dos solos, do clima, das castas predominantes. A vasta região do Alentejo produz muitos e variados vinhos.

ALENTEJO

Fizemos referência a alguns vinhos brancos, mas não referimos qualquer tinto. E há tantos e de tanta qualidade! É muito difícil e provavelmente um atrevimento fazer uma escolha. Seja como for, aqui apresento a minha proposta.
Confesso o meu fraco pelos tintos, por isso gostava que na minha e na sua garrafeira tivesse tintos de qualidade. Vamos referir apenas oito, dos muitos que poderiam figurar na sua garrafeira.


Começo pelo Esporão - Reserva 2010, proveniente da vinificação das castas Aragonês, Trincadeira, Cabernet Sauvignon, Alicante Bouschet, estágio durante 12 meses em barricas de carvalho americano e francês, tendo mais 12 meses de estágio em garrafa. Daí resulta um vinho de grande elegância, com camadas de fruta madura e taninos robustos mas bem fundidos, que lhe conferem grande riqueza e complexidade, com teor de álcool de 14,5% vol. Encorpado e bem equilibrado, com taninos firmes que indicam uma boa longevidade em garrafa.



Da freguesia da Igrejinha em Arraiolos, sugere-se o tinto da Tapada de Coelheiros – 2009, a partir das castas Cabernet Sauvignon, associado à Trincadeira e Aragonês, com estágio de doze meses em barrica e mais doze após engarrafamento, proporcionam-nos um tinto de excelente porte e sabores vinosos persistentes e profundos na boca. Grau de alcoolidade de 14,5 % vol.
Reguengos - Garrafeira dos sócios 2007, elaborado com as uvas Aragonês, Trincadeira e Castelão, possui boa complexidade aromática, com leves toques florais. Encorpado, mas ao mesmo tempo com uma suavidade impressionante. Com seus 13.5º de álcool, é um perfeito equilíbrio de sabores, aromas, acidez, álcool e taninos que enche a boca de prazer.



Cartuxa 2010, um vinho produzido na região do Alentejo através das castas Aragonês, Trincadeira, Alfrocheiro e Alicante Bouschet, plantadas nas vinhas da Fundação Eugénio de 
Almeida. Estagiou durante 12 meses em tonéis e barricas de carvalho francês e 8 meses em garrafa. Apresenta uma cor granada e um aroma de frutos silvestres, com notas de tabaco e especiarias. Na boca tem uma boa estrutura, com taninos maduros, boa concentração, fresco e equilibrado. Teor de álcool 14,5 % vol.


O Monte da Ravasqueira 2010, resulta das castas Syrah, Alicante Bouschet, Touriga Nacional, Aragonez, Trincadeira, Touriga Franca e Petit Verdot. Cerca de 40% do lote estagiou durante 6 meses em barricas de Carvalho Francês. De cor rubi, apresenta um aroma a frutos maduros com notas de cereja preta e amora silvestre. Sabor harmonioso e taninos suaves. Final longo e persistente. Teor de álcool de 14,5% vol.



O Quinta do Carmo 2009, produzido a partir das castas Aragonês, Alicante Bouschet, Trincadeira e Castelão, complementadas com Cabernet Sauvignon e Syrah. Estagiou durante 12 meses em barricas de carvalho francês. Apresenta uma cor vermelha densa e profunda, com aromas complexos de frutos vermelhos, com nuances de baunilha. Com uma boca cheia e redonda, mostra uma boa estrutura e taninos. Servir com pratos de carne vermelha e caça. Teor alcoólico: 14%.



Cortes de Cima Reserva produzido apenas em quantidades limitadas e em anos excepcionais. É produzido a partir das castas Aragonez, Syrah e outras variedades portuguesas e envelhecido durante 12 meses em barricas de carvalho novas. O vinho é encorpado e tem uma estrutura muito boa, que confere uma sensação de poder contido. Teor de álcool de 14 % vol.




Vila Santa Reserva 2011, com teor de álcool de 14 % vol., resulta das Castas Aragonez, Syrah, Touriga Nacional, Cabernet Sauvignon e Alicante Bouschet; estágio de 9 meses em pipas de carvalho americano e francês. Estágio: 9 meses em pipas de carvalho americano e francês. Resulta um vinho de cor granada intensa, aroma que sugere frutos pretos muito maduros bem casados com especiarias de barrica. Elegante e encorpado, com taninos macios bem presentes. Um vinho carnudo, poderoso e cheio.
Não os vou maçar mais. A escolha é grande, aproveitem bem e “saúde”!...

Faltam-nos os vinhos do Algarve ...



Enviar um comentário